Alguns motivos para amar Comércio Exterior

O objetivo do artigo anterior foi o de alertar a nova geração sobre a realidade do Comércio Exterior, também para nortear  profissionalmente para aumentar as chances de crescer rapidamente, mas a repercussão nos comentários por parte de colegas experientes me fez sentir haver um desânimo dos profissionais da área.

É difícil? Sim. Causa envelhecimento precoce? Sem dúvida. Há momentos de sofrimento? Que trabalho não tem? Mas isso quer dizer que não amo Comex? Claro que não! Sofrimento faz parte do amor, se não fosse, não haveria tanto sertanejo e pagode sobre isso.

Comexdepre1
Já conhece o Comex da Deprê / @comexdadepre?

Parece masoquismo de minha parte, mas as risadas e prazeres sobrepõem de longe as negatividades, são diversas histórias engraçadas para contar (e contarei) e pessoas incríveis que continuo conhecendo. As fontes de experiências variam, desde uma ligação para outro país, até uma vistoria física de carga em canal vermelho.

Tratarei esse artigo como uma continuação do anterior (não leu o outro? Tranquilo, pode ler depois desse), pois falarei com a mesma franqueza do porque tenho tanto prazer nessa área a ponto de escrever sobre.

Não tem rotina.

Tédio mesmo só quando ficamos sem trabalho. Mesmo que participe 100 vezes da importação/exportação de um mesmo produto, não é preciso grandes mudanças para parecer um processo totalmente novo, seja mudando os prestadores de serviço envolvidos, quantidade de mercadoria, local de coleta, de destino, modo de embarque…

Sério, cada detalhe o torna único, e mesmo que não mude, sempre haverá outros riscos para causar aquela “emoção” no trabalho, como sinistros, mudanças na legislação e greve de órgão público ou caminhoneiros.

Jacareí (SP), 24/5/2018 - Protesto / Caminhoneiros
Né? – Fonte

 

Constante aprendizado.

 

É derivado do motivo anterior, mas merece menção, pois atrai quem tem gosto por aprender, por buscar novas soluções, por compartilhar as descobertas para encontrar outras. A legislação e trâmites que envolvem nosso trabalho estão em constante mudança, gostaria de dizer “evolução”, mas às vezes ocorre de dar uns passos para trás.

Não precisamos saber tudo, entretanto devemos dominar o que influencia nossa rotina e saber onde buscar o desconhecido.

É um intensivo de Inteligência Emocional.

Lidar com cliente na nossa área é uma experiência… especial! Eu explico, um vendedor de roupas depois que fecha uma venda, não verá o cliente tão cedo. Um arquiteto, cuidará de um projeto por semanas, talvez alguns meses, terminará e provavelmente também não o verá tão logo, mas e no Comex?

O cliente não vai embora.

Acabou um processo, podem existir outros 5, 20, 50, 400 logo atrás, sempre com o mesmo contato. Calma, sei que parece mais um “contra”  sobre trabalhar nessa área (e será, dependendo do cliente), mas ninguém está livre de lidar com pessoas difíceis e trata-se de uma oportunidade de evoluir algumas virtudes básicas como:  paciência, ouvir mais que falar, humildade, empatia, técnicas de vendas e persuasão também.

Neste mesmo sentido, há também os agentes públicos, que, por experiência própria, agem na grande maioria com ética e cortesia, mas basta um ser difícil, para exigir todo seu jogo de cintura.

Madeira

Imagem de alívio para qualquer importação com madeira. Fonte

 

Gostaria de citar uns fiscais de um certo ministério, famosos pelo corpinho de açúcar, pois cancelam vistorias assim que começa a garoar, não foram poucas as vezes que eu e outros Importadores ou Despachantes Aduaneiros seguramos um guarda-chuva sobre o agente, para que não fosse embora antes de conferir todos os contêineres posicionados.

Contato com diferentes culturas.

É um dos prazeres que temos quando viajamos a outros países (nas suas devidas proporções, claro), seja pessoalmente ou por outros meios de comunicação. Podemos considerar os alemães frios, os norte-americanos rudes e os chineses chatos demais quando querem vender, assim como estes acham os brasileiros espalhafatosos e passionais. Muitos veem como uma dificuldade, eu já acho uma interessantíssima oportunidade de conhecimento.

Brad Celular
Quando o chinês descobre meu What´s App – Comex da Deprê / @comexdadepre

 

Gosto de aproveitar para praticar o inglês e espanhol, é quase um curso gratuito, sem me limitar a dialogar sobre importação e exportação, puxando um papo sobre o tempo (não é só no elevador que rola), perguntando sobre o final de semana, o que tem de bonito para conhecer perto de onde reside. Muitos nunca conhecerei pessoalmente, mas eles ajudam a engrandecer minha rede de contatos e a me esforçar mais nos momentos difíceis.

Uma fonte infinita de tretas/problemas/conflitos.

É terminal de container vazio que cobra mil reais para tirar meia dúzia de adesivos, agente de carga ofertando free time menor que do armador, cliente que diz não entender demurrage para ganhar tempo, Despachante Aduaneiro esquecendo de isentar tributos, banco pedindo documentos absurdos para fechar câmbio (não é padronizado, acredite), exportador embarcando, sem avisar, para a capital brasileira:

BUENOS FUCKING AIRES.

Pode me chamar de filho do caos e da discórdia, pois apesar de sofrer é o que anima meu dia, e não há acelerador de evolução profissional melhor que processos que saem da rotina. Por mais que antecipemos todos os possíveis riscos, não adianta, é muita gente envolvida (na importação, falei de todos eles nesse artigo) e com responsabilidades fora da alçada dos demais.

Michael Jackson
Eu olhando para o monitor, depois de perguntar para o Agente e Despachante quem foi o responsável pelo NCM errado no BL.

 

Prestamos um serviço tangível.

Realizamos nosso trabalho com documentos, e-mails, ligações, mas podemos ver nossa carga por aí e o sentimento que desperta é gratificante, uma mistura de ”dever cumprido“ com ”você tá aqui por minha causa”!

Na exportação, podemos ver a mercadoria a caminho do porto, ou também em lojas e mercados caso seja comercializada por aqui, que é a situação mais comum para quem atua na importação. É legal podermos ver ou pegar aquilo que deslocamos de um país a outro.

Eu que atuo na indústria naval, sou afortunado de poder conferir de perto tudo que chega no estaleiro, o que torna mais prazeroso ainda, pois contribuo para que todas as importações se tornem algo muito maior.

Eu
Olha que guri orgulhoso (sim, sou eu) depois de realizar 45 importações aéreas, 32 marítimas consolidada, 46 full container, 39 couriers e 1 Break bulk.

 

***

Lembrou de outros motivos?

Estes que apresentei são os que ocorrem comigo e acredito serem comum aos demais envolvidos em nossa área, e obviamente que não são exclusivos do Comex.

E com certeza há mais! Vamos praticar #gratidão nos comentários e deixar de lado essa mania de pensar somente nos problemas e no que não nos agrada, isso é importante para renovarmos o amor pelo que fazemos – e não se resume a trabalho.


Quem é o Jonas?

É um cara formado em comércio exterior, que trabalha há mais de dez anos com  importação, compras e logística internacional, e continua apaixonado pela falta de rotina que essa vida tem! Agora ele quer dividir essa experiência com todos, de forma simples e bem humorada.

Além de aprimorar a escrita no Linkedin, pratica artes marciais, enfrenta eternamente sua pilha de livros, joga vídeo game desde o Atari e também curte ajudar os outros profissionalmente.

Talvez ele possa te ajudar, que tal procurá-lo?

 

 

Um comentário sobre “Alguns motivos para amar Comércio Exterior

Deixe uma resposta