O que eu aprendi depois de 21 artigos no Linkedin.

Senti a necessidade de refletir depois destes 21 artigos, sei que não é um número gigante (nem redondo, perdão para a turma do TOC), mas foi há 6 meses atrás que publiquei meu primeiro texto e, de lá para cá, cometi diversos erros e acertos que contribuíram para as importantes evoluções profissionais e pessoais que me ocorreram, sobre os quais tratarei aqui para que aproveitem o LinkedIn com eficiência e/ou sintam-se estimulados a usá-lo com constância.

– Mas por que 21? – Sei lá! Eu olhei minha lista maluca de ideias e não quis nenhuma, nem decidi ainda o assunto do próximo artigo.

E para elaborar os tópicos, revisitei os artigos anteriores e algumas postagens, mas principalmente os comentários e conversas que geraram, pois são as pessoas dentro e fora da rede que fazem o texto de hoje ter sentido de ser escrito e publicado.

Me expressar na escrita renovou o amor pelo o que faço.

É natural o desejo de se expressar, seja com fotos no Instagram, textões no Facebook, imagens no Pinterest, compondo e tocando música, tentando ser o próximo grande Youtuber ou simplesmente compartilhando piadas ou boas histórias no WhatsApp.

Nenhum dos citados me atrai, tanto que meu perfil no Instagram criei há menos de 6 meses, mas é na escrita onde me realizo, um amor antigo que começou aos 14 anos quando conheci o RPG de mesa – este hobby é incrível para estimular a criatividade e escrita de histórias e quando consegui unir isso com o Comércio Exterior, as duas paixões foram renovadas.

Rpg é esse jogo que os guris do Stranger Things jogam no início do primeiro episódio, informe-se mais com seu amigo nerd… Quem sabe eu escreva sobre também.

Ignorando estes que se expressam por vaidade ou interesse (e notamos facilmente a intenção), acredito que nos expressamos para atender a nossa necessidade de se conectar com outras pessoas ao agregar positivamente, curioso que a conexão é uma via de mão dupla, não fazia ideia do quão bem as respostas dos leitores me faria.

Em todos os artigos houve pelo menos uma pessoa, sem qualquer interesse, que comentou, compartilhou ou me procurou no privado para me oferecer palavras queridas que me motivaram a continuar escrevendo.

Meu muito obrigado a cada um de vocês 🙂

Escrever dá trabalho e requer sacrifícios.

Já encontrei no LinkedIn vários perfis que desistiram de escrever antes de 5 artigos, não julgo, só escrevendo para ter noção do trabalho exige.

Minhas rotinas mudaram drasticamente para conseguir postar 3 a 4 artigos por mês, o tempo dedicado ao lazer de absorver conteúdo, foi transferido para produzir. Levo em média 3 horas para escrever, mas quem dera fosse só isso! É preciso antes roteirizar, depois revisar, buscar imagens e, eventualmente, achar tudo uma grande porcaria e começar de novo…

Também notei estava gastando tempo demais com o que não agrega, saí de diversos grupos de WhatsApp, grupos do Facebook e me tornei mais crítico com os jogos de videogame, séries e livros que decido investir meu tempo.

Por último bloqueei e quase não aceito/sigo novos contatos nas redes sociais, pois francamente, eu não ligo para a vida (que eles publicam) de 95% deles, talvez mais.

Brad
Tchau amigos da época do colégio que nunca mais vi.

Também aprendi a aproveitar cada momento disponível, como agora que estou escrevendo durante meu horário de almoço porque suguei a comida em 5 minutos (eu sei que é errado), ou também nos findis que levanto cedo ou vou  madrugada a dentro, que é quando meu cérebro não sossega com ideias e engata a quinta na inspiração e ainda solta o nitro.

Mario Kart
O Link na moto é minha criatividade as 2 da manhã, o Mário é o meu sono e prudência ficando para trás.

Não tenho o luxo de escrever onde e quando quero, é no momento que estiver disponível e isso não vai mudar.

O negócio mesmo é cultivar o jardim.

A vontade de me expressar é o que mais me move, mas não mentirei que no início minha empolgação fez eu querer conseguir mais leitores adoidado, divulgava meus textos em tudo quanto é canto, sorte a minha que tenho vergonha demais de pedir para estranhos lerem, assim pude notar que precisava esperar as pessoas passarem na frente do meu jardim para admirar.

Não adianta arrancar flores dele para entregar a quem não pediu.

É como quando olhamos uma vitrine e o vendedor sai da loja para te convidar a entrar – tenho vontade de sair correndo!

E nada de usar flores artificiais, tenho uma experiência pessoal e profissional que acredito ser capaz de ajudar outros da área (ou não), não preciso enfeitar minhas histórias e nem usar jargões em inglês para parecer profissional, números de seguidores, ”Gosteis”, comentários, são um norte para refinar meu trabalho, mas não me deixo ser consumido por eles.

3 artigos por mês, sem pressa, sem apego a números, absorvendo os bons feedbacks, em abril foi o primeiro texto, hoje trabalho no vigésimo segundo 😀

Tem muita gente precisando de ajuda.

Creio que tenho um estilo humano de escrever, pois atrai muitas pessoas a puxarem papo comigo no privado, e curto demais isso! Teclar (ainda usam esse termo?) com o pessoal no computador lembra minha adolescência no MSN.

MSN
Admirem jovens, que design moderno e clean.

O pessoal me pede uns conselhos ou conta histórias inusitadas do Comex, mas infelizmente muitos me procuram por estarem desempregados ou atrás do primeiro emprego, não sou profissional de carreira ou RH, porém divido com eles minhas experiências particulares e dou algumas dicas que eu mesmo sigo, o principal problema é que o mercado está fraco ainda, tem muito profissional disponível.

Então se você que me lê está empregado, sugiro aproveitar a oportunidade de trocar uma ideia se alguém lhe procurar no LinkedIn, ajude no que puder, as vezes só bater um papo despretensiosamente já os acalma de um desespero momentâneo, eu fiquei 3 meses desempregado já me abalou bastante, imagine como é para alguns que nos procuram e que estão nessa condição há anos.

E fiquem à vontade para me procurar, respondo todos sempre bem faceiro 🙂

É possível crescer com o LinkedIn.

Divido meu conhecimento e experiência e recebo de volta o mesmo, isso me torna mais inteligente, motivado e sábio, o mesmo acontece quando assimilo o conteúdo dos outros, deixo um pouquinho de mim lá comentando e assim todos nos tornamos profissionais melhores.

Pessoas melhores.

E não precisa publicar seus próprios artigos para isso, postagens e comentários inteligentes que agreguem para quem lê, lhe darão esse retorno.

Mas é preciso utilizar a plataforma com frequência! A maioria utiliza a rede para tentar conseguir um emprego e está errando feio! Aqui é seu espaço profissional (um pouco pessoal também, por que não?), uma vitrine, seu alcance e network vão crescer se utilizar com constância, ou você acha que o algoritmo do LinkedIn vai ajudar quem acessa só quando quer um trabalho novo?

Palestrinha
Olha só que orgulho esse guri palestrando, de Xanxerê (SC) para o mundo!

Além de virtudes e network, novas oportunidades podem lhe aparecer, como esta acima, fui convidado para palestrar na Allog sobre O Linkedin como ferramenta para crescimento profissional, pois noto que são poucos profissionais de comércio exterior atuando frequentemente na rede, contei minha história de crescimento no LinkedIn com diversas dicas, mostrei como utilizar, por onde começar e o que não fazer.

Uma empresa que deseja crescer no LinkedIn, vai acelerar o processo se seus profissionais também atuarem na rede, e evidente que eles também crescerão juntos.

Fiz um post bem feliz semana passada sobre isso, não o repetirei aqui, mas precisa de outra prova? Me obriguei a me preparar para fazer algo que não tinha experiência, conheci várias pessoas que me receberam com carinho, também vi e revi antigos colegas de trabalho. Depois da apresentação e de trocar ideias com os presentes eu pensei:

”Eu posso fazer isso em outras empresas, elas ganham, seus colaboradores aprendem comigo e eu realizo mais network presencial”

Sigo em frente, um passo de cada vez >:)

E você, leitora(o)?

Esse com certeza foi o texto mais pessoal e reflexivo que já escrevi, o que achou? Meu aprendizado lhe foi útil? O que mais aprendeu aqui sozinho ou com outros contatos? Está usando o LinkedIn com frequência? Divida suas ideias e dúvidas nos comentários para crescermos juntos.

Ah! E não esqueça de me seguir para receber os próximos artigos 🙂

Quem é o Jonas?

É um cara formado em comércio exterior, que trabalha há mais de dez anos com  importação, compras e logística internacional, e continua apaixonado pela falta de rotina que essa vida tem! Agora ele quer dividir essa experiência com todos, de forma simples e bem humorada.

Além de aprimorar a escrita no Linkedin, pratica artes marciais, enfrenta eternamente sua pilha de livros, joga vídeo game desde o Atari e também curte ajudar os outros profissionalmente.

Talvez ele possa te ajudar, que tal procurá-lo?

Deixe uma resposta