Evite mentir sobre seu inglês, também não exija tanto dele.

Mentir sobre qualquer informação do currículo é uma oportunidade para se queimar profissionalmente no mercado, e caso minta sobre seu inglês ao super estimá-lo no campo “Idiomas” – Você vai precisar de muito pós-sol para se recuperar dessa queimadura.

Pois é facílimo de avaliar em uma entrevista, para testar a escrita: papel e caneta, para entendimento e conversação: é só começar a bater um papo.

Meu inglês é básico, mas arranho bem na entrevista se a vaga pedir avançado.”

Quem arranha alguma coisa são gatos e DJs, o que você está fazendo é passar vergonha e desperdiçar o tempo de recrutadores.

Por outro lado, saiba avaliar o seu nível de inglês corretamente para não exigir demais de si mesmo. Os dois extremos serão abordados nesse texto, afinal, a meu ver, ambos são prejudiciais de formas diferentes.

Nada de mentir sobre sua fluência em inglês nem para mais e nem para menos.

Embora mentir superestimando a si mesmo seja mais prejudicial no mercado de trabalho, também não ajuda se você subestimar sua capacidade. Pode ser que seu inglês já seja Avançado, mas você insista em considera-lo como Básico ou Intermediário no currículo para evitar grandes expectativas.

Concordo e apoio sua honestidade, todavia você pode estar deixando de se candidatar a vagas perfeitas para você!

Mas você não acabou de dizer para não tentar arranhar no inglês porque é ”queimação”?

Sim, mas entenda que recrutadores experientes, com vagas que exijam inglês ou qualquer outro idioma, têm sensibilidade na hora da entrevista para saber quando o candidato não soube avaliar a própria capacidade ou tentou mesmo mentir para garantir a vaga.

Portanto, para evitar esse problema…

Solicite ajuda para avaliar o seu nível de fluência.

Se pesquisar avaliação de inglês na internet encontrará uma enxurrada de sites com testes online.

Eles podem ajudar a avaliar sua leitura e interpretação, alguns mais complexos terão áudios e vídeos para testar seu “ouvido”, é interessante para um resultado inicial, com a vantagem de poder fazer em casa de pijama.

Contudo, ressalto que será superficial.

Até pode bastar para provar seu inglês Básico, mas se quer ficar seguro em poder informar no currículo como Intermediário ou Avançado, sugiro que alguém com experiência em lecionar o idioma lhe avalie.

Vulgo, professor 🙂

Christina Morillo em Pexels.com

Cuja experiência acadêmica e prática poderão te avaliar corretamente. Só tome cuidado para que a avaliação seja honesta e não uma armadilha para te vender aulas desnecessárias.

”Ah, mas eu já morei 2 anos fora, é claro que sou fluente!”

Se nesse tempo que morou e trabalhou fora, esteve cercada(o) de brasileiros e não se deu o trabalho de tentar se aventurar para aprender o idioma, é melhor não confiar tanto nesse tempo morado na gringa.

Não se exija tanto no inglês, para não mentir a si mesmo.

Não importa se você acha seu inglês bom ou ruim, pode até ser ruim, mas não tenha vergonha de falar. Se um gringo(a):

  • Ligar, atenda o telefone;
  • Estiver na recepção, ofereça uma água e avise que o chefe já está vindo;
  • Pedir direções na cidade, ajude! Use o celular se for o caso.

Não pensa muito, só vai!

Com certeza é menos perigoso que isso
Lennart Wittstock em Pexels.com

Essas são as melhores oportunidades para praticar, para aprender novas palavras, gírias e detalhes que um curso não consegue abordar por completo.

É no susto mesmo, na prática do dia-a-dia, se virando com as palavras que sabe e até com mímica, não importa.

Pensa comigo, depois de passar anos:

  • Encarando trânsito para frequentar aulas;
  • Morando em outro país, longe de amigos e família;
  • Cantando músicas chatas e vergonhosas;
  • Aguentando aquela felicidade forçada dos professores; e
  • Gastando milhões com mensalidade e apostilas;

Como você poderia não querer usar o que aprendeu? Vai com medo mesmo!

”Mas meus amigos e colegas vão ficar me julgando :(”

Sim, vão! É o que fazemos, julgamos tudo e todos! É um dos motivos que faz com que o Big Brother seja um sucesso até hoje.

Mas, enquanto eles julgam, será você a pessoa que tomou a atitude de resolver e ajudar, e cresceu com a situação, não eles. E este é mais um motivo para que você não minta sobre seu nível de fluência no idioma: se não mentir, ninguém vai se decepcionar.

E lembre-se também de praticar, qualquer ofício enferruja se não utilizarmos com certa frequência! Já contei neste texto meus 6 hábitos para manter o inglês bonito, fica a sugestão.

***

Trouxe à tona o inglês, mas o texto serve para qualquer idioma. Na profissão de Comércio Exterior foram diversas as vezes que entrevistei ou me relacionei com pessoas que disseram ser fluentes, mas acabaram ocasionando momentos constrangedores.

Seja porque não avaliaram a capacidade do idioma, por colocarem ”avançado” apenas para conseguir a entrevista (sabendo que seria em inglês), ou por acharem que trabalhar dez anos nos states era garantia de fluência.

Sugestão de conteúdo complementar.

No segundo episódio do podcast Radar Comex, abordamos o assunto currículo e entrevista de emprego, nele, eu e mais 3 recrutadoras tratamos também sobre o idioma e o que recomendamos para que informe de forma que não ocorra surpresas (boas ou ruins).

Deixarei aqui os links para ouvir no Spotify ou Deezer.

E você, leitora(o)

Alguma dica para avaliar e praticar o inglês e outros idiomas? Como fez para aprender no início? Alguma sugestão de aplicativos ou sites para estudar idiomas? Sua experiência ajudará nos comentários.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.