Tipos de exportação: Direta, Indireta e Consórcio.

Se deseja ver sua mercadoria adentrar ao comércio internacional, contudo não quer ainda encarar o Comércio Exterior, então você precisa conhecer os tipos de Exportação.

Calma, antes de tudo, entenda que não é necessário chegar com os dois pés no Comércio Internacional.

É possível fazê-lo de forma planejada e no ritmo que lhe permita aprender sobre Exportação, além, claro, de usufruir dos benefícios que a Exportação possui.

Vamos então conversar sobre os tipos de Exportação, como escolher o melhor deles e usar as modalidades para aprender sobre Exportação.

Quais são os tipos de Exportação?

Antes que abordemos cada um, entenda que os diferentes “tipos” não influenciam no conceito de Exportação, que é em suma o envio de mercadorias para fora do território nacional.

A diferença de cada tipo será certamente notada bem antes do Despacho Aduaneiro, possivelmente antes até do produto ficar pronto.

Pois o sucesso de qualquer operação no Comércio Exterior, seja na Exportação ou Importação, está principalmente no planejamento dos trâmites a executar.

E não há como planejar com sucesso sem dominar o assunto.

Photo by Chris Pagan on Unsplash

Exportação Direta: o que é?

Na Exportação Direta o dono da mercadoria realiza a exportação diretamente para o destinatário que está no exterior (o Importador).

Esse Exportador pode ser uma indústria ou um revendedor, e ele realizará a exportação sem intermediários, ou seja, ele quem vai:

  • encontrar compradores;
  • negociar a venda; e
  • realizar a exportação junto de seus prestadores de serviço (intervenientes).

Este é o caso das empresas brasileiras que fabricam/compram no Brasil e faz parte de suas rotinas vender no exterior.

Exportação Indireta: o que é?

O dono da mercadoria remete-a (normalmente na forma de venda) à uma empresa dentro do Brasil que possui o específico objetivo de exportá-la.

Estas empresas que exportam são, normalmente, as Trading Companies ou Comerciais Exportadoras, que são especialistas em atuar no Comércio Exterior.

Trata-se da modalidade “cada um no seu quadrado”, o dono da mercadoria se encarrega de fabricar/comprar/vender no mercado interno, enquanto a Exportadora se preocupa com a parte do comex.

A Exportação Indireta pode começar com uma Trading Company que localizou um Importador interessado e um fabricante no Brasil, bem como pode ser o dono da mercadoria que encontrou um Importador (ou até foi encontrado por ele) e decidiu utilizar uma Comercial Exportadora como intermediária.

Consórcio de Exportação: o que é?

Trata-se da modalidade de Exportação Indireta, com a diferença que diversas empresas se unirão no objetivo de fornecer um ou mais produtos a serem exportados.

A individualidade das empresas se mantém, tampouco é preciso fundar uma nova empresa ou Joint-Venture, a união ocorre por meio de contrato no modelo Arranjos Produtivos Locais:

“são aglomerações de empresas e empreendimentos, localizados em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva, algum tipo de governança e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como: governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa.”

MDIC

Esta opção é voltada especialmente para pequenas e médias empresas a fim de conseguir, pelo coletivo, usufruir dos benefícios da escala, tais como:

  • atender demanda de compradores maiores;
  • aumentar poder de barganha para negociar a venda e com os envolvidos na exportação; e
  • diluir os custos da operação.

E, não, não precisa dar um lance maior ou torcer para ter a Exportação contemplada, não é esse tipo de consórcio.

Como escolher entre os tipos de Exportação?

Photo by Macau Photo Agency on Unsplash

As opções indiretas ou consórcio conseguem, de modo geral, usufruir dos incentivos e benefícios fiscais ou dos financiamentos de exportação, logo, não tendem a influenciar na decisão.

Como esperado para Comércio Exterior, e para quase tudo na vida, a resposta é “depende” e, diante disso, é importante levantar algumas vantagens e desvantagens de cada, para aplicar em sua situação:

Exportação Direta: vantagens e desvantagens.

Nada melhor para ter o controle do que realizar toda a operação, desde a fabricação/compra, até a Exportação para o cliente no exterior.

Contudo, essa centralização exige experiência em Exportação, para que a operação não sofra imprevistos que podem causar desde prejuízos até a perda do cliente.

Por isso ela é mais indicada depois de muita prática na modalidade Indireta ou, ao menos, depois de montar um setor de Comércio Exterior com profissionais experientes na sua empresa.

Exportação Indireta: vantagens e desvantagens.

Cada um vai fazer e se preocupar especialmente com o que sabe fazer de melhor: o fabricante produz e entrega para Trading Company, que por sua vez exporta, o Importador recebe, todo mundo feliz!

Desde que todos realizem suas obrigações com qualidade.

Porque se o fabricante ou o Exportador falha, ambos perdem.

É uma delícia quando o trabalho em equipe funciona em sintonia, mas chegar nesse nível exige prática, pois não basta ter qualidade no produto e serviço, cada empresa e pessoa são de um jeito e somente no cotidiano é que aprenderão a trabalhar juntos.

Ao mesmo tempo que será um aprendizado para os dois, o fabricante terá o primeiro contato com Exportação, assim como o Exportador aprenderá sobre o produto e o mercado, que será útil na busca de mais clientes e Importadores.

Consórcio de Exportação: vantagens e desvantagens.

Se já não é fácil trabalhar em equipe na Exportação Indireta, certamente que a presença de mais envolvidos vai dificultar…

Quem depende de consórcio para exportar provavelmente não tem escala ou produtos o suficiente para ser competitivo o bastante, sendo assim, não é a melhor opção para o primeiro contato com Exportação.

Todavia, é a oportunidade de desenvolver mais uma opção que, além de sólida, vai contribuir nas vendas e muito provavelmente na margem de lucro.

E mesmo que seu produto seja exportado somente em consórcio, saiba que ele tem qualidade para o mercado internacional, e isso tem valor, não só comercial 🙂

Utilize os tipos de Exportação para crescimento e aprendizado.

Photo by Cody King from Pexels

Se você possui um produto de qualidade, é possível que algum dia uma empresa lhe procure para começar a exportar indiretamente ou por consórcio.

Será a oportunidade te chamando para usufruir dos benefícios de Exportar e recomendo de coração não deixá-la passar.

Do contrário, use-a para aprender sobre Comércio Exterior.

Hoje você exporta por consórcio, amanhã é só você e a Trading Company, depois, se tiver desenvolvido a mindset mentalidade exportadora, será capaz de realizar diretamente.

E quando menos esperar, estará posteriormente exportando com Drawback.

Não é só lucrativo e “chique” exportar, é principalmente uma questão de segurança, quem, além de vender no mercado interno, também exporta, supera qualquer crise com maior facilidade.

E você, amiga(o)?

Sua empresa exporta? Se sim, em qual dos tipos de Exportação? Fez o caminho para hoje realizar na opção direta? Quer acrescentar mais vantagens e desvantagens? Contribua com o assunto nos comentários!

gett banner

Este artigo foi escrito para a GETT e foi publicado originalmente em seu Blog.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.