Meus conselhos aos iniciantes no comércio exterior, parte 3

Depois de muitos pedidos (mentira, isso é papo de quem se paga de importante), volto com minha série anual preferida dentro do Comércio Exterior.

As partes 1 e 2 foram banhos de água fria e direcionamentos básicos para a carreira, contudo nessa parte 3 vou deixar alguns conselhos, que acredito servirem para iniciantes, quanto experientes, no que tange as três características que acredito serem as mais importantes dentro e fora da vida profissional:

  • sua saúde;
  • suas virtudes (soft skills); e
  • sua credibilidade.

Sua saúde vem antes do trabalho.

Seja para crescer na vida ou para manter o emprego atual, você vai ter que ralar, principalmente se não deu a sorte nos privilégios.

“O sol nasce pra todos, mas a sombra é pra poucos”.

Você Diz Que O Amor Não Dói – Marcelo D2.

E ralar no Comércio Exterior normalmente envolve precisar trabalhar até tarde, acordar cedo ou no meio da madrugada.

Sem mencionar o volume surreal de trabalho.

Nem vou adentrar na questão trabalhista, se está certo ou errado, mas entenda que grande parte do nosso trabalho baseia-se na necessidade da pessoa que está em outro país receber a informação em tempo, pois quando não atendemos prazos perdemos embarques, documentos não chegam a tempo e/ou custos de armazenagem disparam.

Todo o trabalho tem imprevistos que demandam um esforço a mais, o problema é quando dormir pouco e viver sobrecarregado vira rotina, eventualmente o corpo dará sinais de esgotamento através de:

  • gastrite;
  • gripe;
  • dor de cabeça, no corpo; ou
  • perda de cabelo.

Estes são exemplos, a forma que o seu cansaço vai se manifestar são variadas e depende de pessoa para pessoa; no meu caso, foi o vitiligo, em virtude de eu insistir em sacrificar minha saúde e me entupir de remédios para tratar os sintomas leves.

A consequência, para mim, foi sobretudo estética, afetou apenas a pigmentação da minha barba, cílios e sobrancelha no lado esquerdo; após mais de um ano de tratamento consegui reduzir a sequela, mas não há cura completa (passa Grecin).

Porém existem aqueles casos de pessoas que evoluem para uma Síndrome de Burnout, ataques cardíacos e derrames cerebrais… e são pessoas cada vez mais jovens.

Nenhum trabalho é mais importante que a sua saúde.

Saiba dizer NÃO!

Não importa se é chefe, cliente ou colega de trabalho (sobretudo nas empresas que não definem por escrito as responsabilidades), se você deu a mão, vão tentar levar o braço junto.

Vão te contratar para Compras Internacionais e, ao passo que lhe entregam “só mais uma coisinha” para fazer, você terá se tornado responsável por:

  • classificar a mercadoria;
  • coordenar a importação;
  • acelerar navios #CDD;
  • fechar câmbio;
  • contratar transportadora…

E assim segue recebendo cada vez mais pepinos responsabilidades por meses ou anos, enquanto te enrolam no cargo de Auxiliar de Compras Internacionais.

“Aumento? Hum, mês que vem a gente conversa, prometo!”

Por isso é importante que sua gentileza (ou politicagem, não há nada de errado nisso) não faça com que você seja visto como o trouxa bonzinho que faz tudo, quebrar um galho, não pode te tornar o responsável por todos os galhos.

Contudo, há momentos que podemos dizer NÃO de forma construtiva.

Não é porque você tem dificuldade de dizer “não” que vai começar causando discórdia, no melhor estilo Rochelle Chris dizendo “não preciso disso, meu marido tem dois empregos”.

Ao invés de responder assim > Tente dessa forma:

  • Isso não é minha responsabilidade > Creio que isso cabe ao fiscal verificar.
  • Não tenho tempo agora > Podemos ver isso depois do almoço?
  • Não vou dar conta no prazo > Preciso de ajuda para dar conta disso no prazo.

A verdade é que “nãos” sempre podem causar atritos, contudo, ao adotar uma resposta construtiva ela criará um caminho para resolver a situação, sem que pareça (tanto) que você é o chatão que só sabe dizer não.

Aponte menos o dedo e resolva mais.

Certamente esse é um dos maiores males do Comércio Exterior, e não é de se espantar, são tantas pessoas e empresas envolvidas nas operações que basta uma vacilar para causar prejuízos ao cliente ou aos outros envolvidos.

E acredito que os clientes são os principais responsáveis por essa cultura das empresas de Comércio Exterior de querer “tirar logo o meu da reta”, o mais rápido possível, pois fui por muitos anos o “importador cliente” que ajudou a cultivar isso, até que um dia um prestador de serviço me disse o óbvio:

“Vamos focar em resolver o problema, depois vemos o que aconteceu”

Existe uma máxima no Comércio Exterior que diz “se um processo começa errado, ele vai acabar errado”, e isso faz todo o sentido! Processos que começam com um erro ou sofrem problemas em seu percurso, deixa não apenas o causador dele tenso, mas todos os demais envolvidos que ficam preocupados em não piorar a situação.

E, consequentemente dessa tensão, as chances de errar aumentam.

Não precisa vir com #positividade e dizer que “vai dar tudo certo” (raramente é possível recuperar o tempo perdido), contudo, você pode ser a pessoa que resolve o problema e, depois que o processo estiver finalizado, analise o que aconteceu e levante os prejuízos.

Hoje foi outra pessoa quem causou prejuízos, amanhã pode ser você sem emprego fazendo uma entrevista para a mesma vaga com esse outro.

O mundo não dá voltas, ele capota.

Você vai se tornar importante através das Soft Skills.

Antes de mais nada, entenda que ninguém é indispensável, lembro de ter ouvido isso quatro vezes de pessoas que eu julgava serem indispensáveis.

Como jovem e teimoso que era demorei para aceitar essa verdade, mas hoje, quando penso como essas pessoas foram importantes no meu crescimento profissional, lembro de suas virtudes, ou como a turma do LinkedIn adora, suas Soft Skills.

Lembro como se comunicavam com transparência, trabalhavam em equipe com outros setores, identificavam e questionavam rotinas que podiam ser melhoradas, se adaptavam às novidades, assumiam a responsabilidade (principalmente quando era de um subordinado seu).

Isso não significa que estudar não é importante, mas prefiro trabalhar com uma pessoa virtuosa que carece de conhecimento/experiência, do que com um mega diplomado que consegue causar ranço até por e-mail.

Convenhamos, é muito mais fácil um inexperiente aprender um ofício do que uma pessoa insuportável ter aceitação social.

Se você se deparar com indícios de corrupção e não tiver a capacidade para mudar esse fato, caia fora o quanto antes.

Basta você trabalhar no Comércio Exterior que eventualmente você irá presenciar situações, no mínimo, “”””esquisitas”””.

Fui claro com a quantidade de aspas, ?

Inegavelmente que esse é um assunto delicado então vou utilizar o exemplo mais clássico:

Existem diversas empresas atuantes no Comércio Exterior que insistem em trabalhar, por anos a fio, com apenas um único prestador de serviço.

Há casos em que faz sentido, há outros em que a pessoa é burra acomodada e gosta de queimar dinheiro, e outros ainda que a coisa está esquisita demais.

E como todo bom profissional, não apenas de Comércio Exterior, cabe a nós questionar o que está errado.

Entretanto, se depois de questionar e mostrar em números que algo não está certo, mesmo assim você foi ignorado ou recebeu como resposta um “não se preocupa com isso” ou “tem que analisar a parceria”, essa é a hora de procurar outro lugar para trabalhar.

E, sim, sei que você tem que comer e pagar as contas, mas tente sair daí o quanto antes, porque, se quem está no centro dessa ”esquizitisse” trabalha próximo a você:

essa fama vai te acompanhar no mercado e, pior, pode até ser demitido com quem ‘tava de sacanagem, porque na dúvida, é melhor mandar embora todo mundo junto.

***

Como nos textos anteriores, esses conselhos são de coração, baseados no que já vivenciei, assim como no que pessoas da área, com menos ou muito mais anos de mercado que eu, me confidenciaram.

Estou ciente que eles não se aplicam a todos e que é possível levantar diversas exceções a cada um, enfim, como disse Bruce-Lee, “tome o que lhe for útil e desenvolva”.

E você, amiga(o)?

Concorda com os meus conselhos? Quer acrescentar algo? Quer discordar? Fica à vontade! Mas vamos manter o respeito 🙂

Se preferir desabafar comigo no particular (e-mail, mensagem privada), sinta-se à vontade também, sempre respondo a todos (exceto os que mandam mensagens prontas vendendo algo que não pedi… esses eu bloqueio com mais eficiência que a seleção brasileira de vôlei).

Se preferir uma mentoria profissional para sua carreira ou empresa de Comércio Exterior, me chama! O primeiro papo é gratuito.

Marcações:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.